A bomba que matou o cientista iraniano foi fornecida pelos EUA a um grupo armado curdo.

Mostafa Ahmadi RoshanEUA entregou duas bombas à facção armada do Partido para a Vida Livre do Kurdistão (PJAK) na cidade iraquiana de Arbil, segundo informou esta segunda-feira o diário Resalat.

A primeira bomba assassinou Ahmadi Roshan, mas a segunda bomba foi descoberta pela inteligência e funcionários de segurança perto da Praça Resalat em Teerão, indicou o informe.

Em 11 de janeiro, Ahmadi Roshan foi assassinado depois de um motociclista ter colocado uma bomba magnética no seu veículo em Teerão. Ahmadi Roshan engenheiro químico e trabalhava na instalação nuclear de Natanz.

O cientista assassinado não foi a primeira vítima relacionada com o programa energético iraniano. Em novembro de 2010, Majid Shahriari, foi assassinado e Fereydoun Abbasi, actual chefe da Organização de Energia Atómica do Irão, resultou ferido noutro atentado.

O professor Masoud Ali-Mohammadi, um académico da Universidade de Teerão, também foi assassinado por uma moto bomba na capital iraniana em janeiro de 2010.

Estados Unidos e aliados têm utilizado diversas tácticas para deter o programa energético de carácter nuclear de Irão, o qual está sob total observação dos inspectores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA).

Fonte: Press TV

Tradução: SionismoNet

,

Comments are closed.