O Supremo Tribunal dos EUA recusou recursos de presos da base ilegal de Guantánamo

Ao negar-se a rever esses casos e todos os de Guantánamo, o Tribunal abandona a promessa de garantir aos detidos o direito constitucional a uma revisão da legalidade do seu encerramento, explicou o director executivo do Centro de Direitos Constitucionais de Nova York, Vincent Warren, citado por PL/Russia Today.

O analista Wilfredo Amr Ruiz comentou a Russia Today que Washington opõe-se a permitir o acesso aos tribunais civis aos detidos, porque isso poderia permitir-lhes demonstrarem as torturas a que estão sujeitos no centro penitenciário.

detidos em Guantánamo

A penitenciária no território ilegalmente ocupado de “Guantánamo está fora da esfera jurídica dos tribunais civis norte-americanos, por isso organizam uma espécie de tribunais militares para rever os processos dos detidos. “Não querem permitir-lhes o acesso aos tribunais civis porque poderiam trazer à luz os casos de tortura, como o de um dos réus que está relacionado com os atentados do 11-S e que foi submetido a quase 200 sessões de afogamento durante a sua detenção”, argumenta o especialista.

Numerosos relatórios internacionais confirmam que nesse território ocupado ilegalmente, as forças armadas do Pentágono, com a conivência da Casa Branca, torturaram detidos e lhes submeteram a práticas contrarias ao estipulado pela Convenção Internacional para o tratamento a prisioneiros de guerra.

Fonte: PL/Russia Today/Granma

,

Comments are closed.